domingo, 24 de julho de 2011

"É lenta e quase não fala.





Tem olhos hipnóticos. E a gente sente que ela não espera mais nada de nada nem de ninguém, que está absolutamente sozinha e numa altura tal que ninguém jamais conseguiria alcançá-la. Muita gente deve achá-laantipaticíssima, mas eu achei linda, profunda, estranha, perigosa. É impossível sentir-se à vontade perto dela, não porque sua presença seja desagradável, mas porque a gente pressente que ela está sempre sabendo exatamente o que se passa ao seu redor."

(Das impressões de Caio Fernando Abreu ao conhecer Clarice Lispector)

Falar dessa ucraniana com alma brasileira nos dias atuais deve ser feito com muito cuidado. É por que percebemos claramente o quanto as redes sociais popularizam Lispector nos últimos tempos. Nunca ela foi tão querida e amada pelos seus leitores; essa mesma autora que no passado arrancava arrepios nos estudantes que eram obrigados a estudar sua obra na escola, hoje são as suas famosas frases que causam alvoroço e são motivos de muitos comentários e reproduções no mundo virtual.
Clarice é dona de uma literatura com alto nível de complexidade, isso devido a toda introspecção de suas obras. Um acontecimento banal, algo do cotidiano – como olhar-se no espelho, o quebrar de ovos e a contemplação de um buquê de rosas – na vida de um personagem lispectoriano significa algo muito maior. Um simples fato do dia-a-dia pode fazer com que a personagem comece a refletir e descubra sua alienação e após esse processo, tudo pode mudar na vida dela - ou não - ela pode voltar à estaca zero, conformada com a realidade que a cerca.
Clarice Lispector nasceu na década de 20 e faleceu em 1977; sua produção literária iniciou nos anos 40, até o ano de sua morte. Ou seja, faz mais de 30 anos que a autora nos deixou, mas mesmo assim, sua obra é estudada como Literatura Contemporânea e assim também é considerada, sendo os seus livros classificados como romance moderno.
Talvez seja pelo seu olhar intuitivo em relação ao universo feminino que Clarice Lispector hoje é popular entre as mulheres; elas sempre ocuparam um lugar de destaque nas páginas da autora. Mas Clarice não é vista como uma feminista, uma defensora dos direitos das mulheres; tais personagens não foram mulheres à frente de seu tempo, muitas vezes elas foram caracterizadas como submissas – submissas aos homens e ao ambiente que as domina. Essa última característica pode ser facilmente identificada no romance “A Hora da Estrela” através da personagem Macabéa – uma mulher totalmente conformada com a sua situação miserável e com todos os problemas que o destino coloca em seus caminhos; é dela a famosa frase: “já que sou, o jeito é ser”. Macabéa – durante toda a sua breve vida – não fez esforços para ser a verdadeira estrela do seu destino.
Quem sabe também haja tais equívocos em relação à obra lispectoriana, pois esta ainda não é de domínio público; os livros de Clarice não podem ser digitalizados sem autorização, tampouco disponibilizados de forma gratuita e nem as editoras conseguem comercializá-los a preços mais acessíveis; isso poderá ocorrer somente depois dos 50 anos de falecimento da autora. Deduz-se então que, como os livros de Clarice não são tão acessíveis como os de Machado de Assis, por exemplo (que já é de domínio público há décadas), muitos não têm acesso à obra da autora – já que sabemos o quão escassas são as nossas bibliotecas públicas, infelizmente – e baseiam-se em fontes não muito confiáveis para creditar e divulgar textos sendo dessa autora.
Vejamos um exemplo: há sites que creditam à Clarice a seguinte frase: “Você pode até me empurrar de um penhasco e eu vou dizer: e daí, eu adoro voar!”. Esse estilo da frase não se enquadra com o de Lispector; nossa querida autora é dona de uma literatura mais intimista, simbólica e introspectiva, o que nada tem a ver com a expressão acima citada. Há fontes na internet que declaram que essa frase foi dita pela atriz Bruna Lombardi, outros dizem ser de Kathlen Heloise Pfiffer. Então, como saber ao certo? A resposta é simples: não há como saber, pois não encontramos referências bibliográficas que comprovem a autenticidade da frase sendo de autora X ou Y; a internet é um espaço livre, e pelo menos em nossa realidade, os direitos autorais nunca foram devidamente respeitados na web. Por mais que se confie em uma página virtual, nada se compara com a veracidade de um livro, devidamente publicado, catalogado e registrado.
Essa expressão é só uma de tantas que a todo tempo são divulgadas na rede mundial de computadores, através de ferramentas como e-mail, twitter, Orkut e facebook. A internet, que poderia ser uma verdadeira aliada na disseminação da literatura lispectoriana, hoje se tornou uma grande vilã, espalhando inverdades e deboches referentes à obra dessa escritora genial.
Mas bem sabemos que a internet é atualizada pelas pessoas, a maioria delas são pessoas de bem, que não veem maldade alguma em repassar aquele e-mail com um texto bonito assinado por Clarice Lispector, ou então em retwittar aquela frase legal também creditada à autora; por isso, caso você seja fã das frases e textos que circulam na web como sendo de Lispector, a dica é a seguinte: duvide sempre de tudo o que ler; e pesquise, questione, conheça as obras e procure referências, antes de divulgar e disseminar falsos textos pela internet; quem agradece não sou eu, - um apaixonado admirador da obra dessa mulher -, mas sim o legado de Clarice, que de maneira alguma merece ser vulgarizado e desrespeitado, mais ainda do que já está sendo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário